2009-10-30

nature

eras pequenina e sabias que o teu tempo ainda estava para vir. eras pequenina e olhavas, pela janela do carro do pápá, os grandes e crescidos que já podiam andar sozinhos nas ruas, nenhum homem mau lhes ia oferecer doces falsos. eras pequenina, brincavas com bonecas e sonhavas com o dia em que te ias passear com sorriso liberal e de alma acorrentada ao menino que se sentava ao teu lado a brincar com os legos. eras pequenina, imaginavas-te dona do teu destino, mundo encantado de trocadilhos confusos e empolgantes. o teu tempo ainda estava para vir, mas quando viesse havias de ser mulher de ti. mas eras pequenina, crescias e não davas conta. crescias e já quase que não eras a pequenina de sempre, perdida de sorrisos que acorrentavam almas e despedaçavam sonhos.
'não queiras tão assim ser mulher de ti, minha pequenina. não deixes que te ofereçam doces que só te querem libertar dessa inocência. o teu tempo chegou, é-o agora em ti e sem mais ninguém para te acorrentar a trocadilhos confusos e empolgantes. minha pequenina, sê senhora agora. senhora de alma liberal e sorriso empolgante.'

5 comentários:

Arisca disse...

Parabéns!!
Li e reli este texto. Profundo. Certeiro. Doce. Confiante
Adorei!!

Gislãne disse...

"senhora de alma liberal e sorriso empolgante."
amei isso
:*

Maria Francisca disse...

Que alma a tua Margarida, que alma. Minha beija-flor.
E que felicidade que é ser considerada por ti assim, enche-me o coração e envolve-me o sorriso.

Anjo-sem-asas disse...

gpostei muito mesmo :)
até fiquei com uma lágrima no canto do olho :$

joana disse...

está lindo minha linda :')
gosto tanto de ti... vou ca estar sempre que quiseres :)