2010-08-05

para o natal, eu quero!

eu sei que não acerto com o português. que não sou entroncado o suficiente para te proteger de tudo quanto queria e que repito demasiado a mesma coisa quando estou entusiasmado. que às vezes me desligo um bocado e deixo de perceber que o teu coração tem muita coisa lá dentro e a maior parte do tempo (do tempo, do espaço) não está arrumado. eu sei que não me devia importar quando me tiras fotografias aos pés. mais que tudo, eu sei que te sentes frustrada quando te tento ensinar a andar de skate e tu não consegues (ahaha, esta até teve piada), mas foi essa tua dissincronização toda que me fez gostar de ti assim, tão devagarinho. não foi o teu excesso de vocabulário, o teu cabelo, as tuas notas na escola e o facto de termos os dois o mesmo nível de pontualidade (não nulo, quase nulo). não foi tão pouco a tua paixão pela arte ou a nossa adrupta parecença e diferença em certas coisas. mas a tua maneira de estar tresloucada e a maneira como gostas de saber rir-te sozinha, fogo.

6 comentários:

susana disse...

isso está lindo! a sério, está maravilhosamente bem escrito :) beijinhos*

Alexandra disse...

amor de verdade aqui (: *

Anónimo disse...

um dia vou descobrir se sou apenas mais um para ti, ou se deveras significo algo . a tua indiferença perturba-me mas a tua visao inata do mundo faz com que o que te rodeia se torne mais leve libertando tudo para a sua verdadeira importancia

Margarida disse...

acho que devias começar por dizer quem és.

Davie disse...

Também já não te liga a algum tempo e foi como uma brisa de ar fresco, nestes dias tão quentes.

Maria Francisca disse...

u-a-u
(e nao me ponho com floreados porque a unica flor aqui és tu)