2009-02-28

Eu queria, muito.

Só precisava de um empurrãozinho. Um empurrãozinho para fazer o que devia, um devia facultativo mas importante. Às vezes não consigo fazer isso sozinha, sem alguém em carne e osso a meu lado, para me dar a mão neste quarto acolhedor, mas escuro como breu. Porque ao contrário do que muitos pensam, eu não me quero deitar na cama de dossel e sentir-me uma princesa, eu quero sentar-me à secretária ou mesmo sair pela janela, já que a porta está trancada por dentro e engoli a chave num momento de lucidez, e fazer todos os trabalhos possiveis, tudo aquilo que eu possa e que me deixem fazer.
Não quero ser preguiçosa, nem o sou, adoro fazer o que aqueles que me amam querem que faça, porque os vou fazer felizes e eles só querem o meu bem, logo vou ser feliz também.
Mas ninguém me dá nenhum empurrãozinho, ninguém faz questão de me acompanhar. Por mais que eu insinue, por mais que eu quase transmita por palavras essa minha vontade, ninguém me olha nos olhos e percebe a mensagem. Julgo que era o suposto.

6 comentários:

V disse...

a comunicação com as almas é muito dificil *

MG disse...

pois, e eu não sabia que com estas também era...

baby piggy disse...

Queres o empurrãozinho da minha parte? :D
Oh, escrita não é bem o meu forte, mas agradeço o elogio! *

ash. disse...

Um empurrãozinho dou-te sempre que quiseres. Mas precisas de muita força.

Obrigado eu $$:

Ana Moreira disse...

Vou-te adicionar! Adorei o blog!

Beatriz Cró disse...

Não empurro mas dou a mão.